Photobucket

Preços:
Membro FN - 5€
Não-Membro - 8€

Ambição Recompensada

By ®Fábio Silva on 5:18 da tarde

Filed Under:

Foi uma estreia negativa para o Clube Desportivo de Tondela que se mostrou, sem dúvida, algo desastrado na sua defesa e nunca evidenciou capacidade para ultrapassar as dificuldades impostas, neste caso, pelo Sourense que se apresentou bastante coeso e com muita ambição de vencer. Nunca virou a cara à luta e deteve mesmo alguns momentos de ascendente sobre o seu opositor, principalmente em termos ofensivos. A forma como o Sourense conseguiu anular as pedras mais influentes do Tondela, como foram os casos de Nuno Pedro e de Nuno Rato, deu a sensação de que o treinador José Viterbo conhecia bem o seu adversário.De facto, foi o Sourense que esteve sempre na mó de cima e se tivesse aproveitado todos os deslizes da defesa da casa, em tarde desastrada, teria seguido para a segunda eliminatória com uma goleada no reduto do seu opositor. Em futebol exibido, não se pode dizer que os visitantes tenham deslumbrado em relação aos locais. Só que estes foram mais práticos, mostraram mais codícia pela baliza contrária, evidenciaram muito mais atenção aos deslizes e aos furos na defesa tondelense e, com todos esses predicados, naturalmente, venceram com todo o mérito.E o Clube Desportivo de Tondela nem sequer pode culpar a arbitragem, pois o trio portuense comandado por Alcino Silva esteve em grande plano.Ninguém consegue perceber a falta de ambição e de querer dos pupilos de Luís Almeida. Foi fácil perceber que o golo que sofreu aos 32 minutos, num lance em que a defesa da casa claudicou nitidamente, teve grande influência no resto da partida.Claro que depois de estar a perder, o Tondela subiu mais no relvado do bonito e remodelado Estádio João Cardoso. Se calhar essa ânsia de chegar ao golo do empate, agravou ainda mais a sua exibição.Como se esperava, o Sourense passou a defender ainda mais e com melhor coesão, acabando ainda por conseguir dominar no meio campo, lançando a partir dessa zona os seus mortíferos ataques, que colocaram o sector recuado contrário em constante sobressalto.No segundo tempo nada se alterou e continuou a ser a equipa comandada por José Viterbo, a mais esclarecida e sempre atenta ao deslize da defesa da casa que não melhorou nada em relação ao primeiro tempo. Assim não admirou que surgisse o segundo golo e com ele a passagem do Sourense à 2.ª eliminatória, com todo o mérito, porque soube aproveitar duas ofertas.
by Amorim Lopes
in Diário de Coimbra

0 comentários for this post